quarta-feira, março 21, 2007

Homeopatia

Davi e Golias, que injusto.
Atiro palavras pedrinhas gotas e me recebem como deusa, caçadora e caça.
Mandam-me de presente a mais fabulosa bandeja de prata em que devo me deitar para servi-los. Para ser servida. Tenho tudo antes mesmo de me dar. Já estou entregue sem escolha, as mãos atadas a seus cabelos.
Quando me arrastam sem resistência para a jaula, minhas pernas se entreabrem involuntariamente.
São eles que entram. Eu os contenho, os guardo dentro de mim.

terça-feira, março 13, 2007

Para a andorinha

Aqui é frio, mesmo, mesmo quando muito quente - e eu não gosto desse pretenso ar blasé do povo com cara de que usa soutien apertado. Essa tua impressão não foi errada, mas se EU dei essa impressão, então please, foi completamente errada. Meu coração estava quentinho de te conhecer e de te achar mais alta do que eu pensava - mas não menos querida - nos vários significados que essa palavra permite.

Sei que teu momento não permitia muito mais do que as impressões que trocamos e eu, por ter uma queda pelas conversas mais densas, preferi respeitar seu momento e te deixar dividir com quem te entende há mais tempo. Talvez minha leveza te soasse mal e superficial naquele - nesses - momentos.

Não sei qual tua decisão, mas egoisticamente só me importo mesmo com ela se ficar muito difícil de te encontrar pessoalmente outras vezes. De resto, eu te apóio mesmo que isso não signifique muito, mesmo que seja um apoio de formiguinha, porque, seja amiga nova ou antiga, eu faço questão de jogar no mesmo time.

Te espero rever outras vezes, em outras viagens, com outras malas ou com um travesseiro macio, em caos ou encontros diversos, G. Ou nos encontramos nas palavras, mesmo.

Quanto ao meu lugar ser dentro da minha cabeça, o sábio F. definiu tudo: pode ser mentira :)

quarta-feira, março 07, 2007

Continuem tentando ;)

The Real Zodiac Killer

Se você quer matar alguém
Sem gastar nem um vintém
E sem risco de ir em cana
Mate uma geminiana.

Quer saborear o crime
Sem contratar um terceiro
Sem estragar o sublime
Ao trocá-lo por dinheiro?

Pra matar um ser humano
Sem que qualquer testemunho
Ainda que de soslaio
O prenda por muitos anos
Mate quem nasceu em junho
(ou, melhor ainda, em maio)

Se você não faz questão
De que a cena seja horrível
De terríveis gritos fêmeos
Nem de sangue em profusão
Isto é mais do que possível:
Mate uma mulher de gêmeos

Não dê um tiro na moça
Não a afogue numa poça
Nem na água funda a jogue,
Não ameace apagar seu blog:
Ela pode gostar da idéia.
E também não a envenene
Com toxina de moréia
Porque isso atrai sirene

Por mais que você tenha gana
Não lhe bata, amasse ou corte
Matar uma geminiana
É um refinamento da morte

Não precisa violência
Que isso traz muita estridência
Nem seja também tão sutil
Porque, puta que o pariu,
Enchê-la de vodka e comida
Ou de noites mal-dormidas
O máximo que vai fazer
É com que ela enterre você.

Não a encha de trabalho
Porque, por mais que reclame
No fim ela sempre dá conta
E depois da coisa pronta
Ainda pode ser que ela ame
E se divirta pra caralho.

Matar uma geminiana
É mais fácil que se pensa.
Pra não sofrer com a imprensa,
Com polícia ou com assédio
Dispensando o intermédio,
Sem pagar pelo seu ato
E curtindo o assassinato,
É fácil: mate de tédio.


Roubei dela, que vai ser vizinha de condomínio!
:D